OMS: A ingestão ocasional de adoçante artificial apresenta baixo risco de câncer

OMS: A ingestão ocasional de adoçante artificial apresenta baixo risco de câncer

14 de julho de 2023

 

As principais agências globais de saúde relatam que os consumidores que limitam a ingestão de aspartame e outros adoçantes artificiais correm pouco risco de contrair câncer.

“O nível ocasional de exposição, que está longe da ingestão diária aceitável, é seguro e não produz riscos apreciáveis ​​à saúde”, disse Francesco Branca, diretor do departamento de nutrição e segurança alimentar da Organização Mundial da Saúde.

“O problema é para grandes consumidores e o problema é para situações em que o consumo está mudando para grandes consumidores”, disse ele. “Mas acho que nossos resultados não indicam que o consumo ocasional deva representar um risco para a maioria dos consumidores”.

O aspartame, um adoçante artificial, tem sido amplamente utilizado em uma variedade de alimentos e bebidas, incluindo refrigerante diet, goma de mascar, sorvete e cereais matinais, desde a década de 1980.

Relatos recentes de que a pesquisa do câncer da OMS, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer, provavelmente declararia o aspartame cancerígeno para humanos, criou um alvoroço entre os fiéis dietéticos viciados nesses produtos com baixo teor de gordura.

Dois órgãos científicos realizaram análises independentes, mas complementares, para avaliar o potencial risco carcinogênico e outros riscos à saúde associados ao consumo de aspartame.

Mary Schubauer-Berigan, chefe do programa de monografias da IARC, diz que a tarefa de sua agência era identificar os possíveis perigos, não os riscos associados ao aspartame.

“É muito importante observar que esta foi uma identificação de perigo e não uma avaliação de risco”, disse ela. “Uma identificação de perigo visa identificar as propriedades específicas do agente e seu potencial para causar danos, ou seja, o potencial de um agente para causar câncer”, disse ela, observando que não reflete o risco de desenvolver câncer em um determinado nível de exposição. . “Portanto, o grupo de trabalho classificou o aspartame como possivelmente cancerígeno para os seres humanos”.

Schubauer-Berigan disse que a classificação do IARC Grupo 2C foi feita com base em evidências limitadas de três estudos para um tipo de câncer de fígado em humanos, acrescentando que também havia evidências limitadas de câncer em animais experimentais.

“Apesar dos achados positivos consistentes nos três estudos, o grupo de trabalho concluiu que o acaso, o viés e a confusão não podem ser descartados com razoável confiança. E, assim, concluíram que as evidências eram limitadas”, disse ela.

Branca, da OMS, disse que o JECFA, o Comitê Conjunto de Especialistas em Aditivos Alimentares, revisou os riscos associados ao aspartame e concluiu que “não há evidências convincentes de dados experimentais ou humanos de que o aspartame tenha efeitos adversos após a ingestão dentro da ingestão diária previamente estabelecida de 0 -40 miligramas por quilo de peso corporal.”

O que isso significa, disse ele, é que uma pessoa que pesa 70 quilos pode consumir 2.800 miligramas de aspartame por dia. “Se olharmos, por exemplo, o teor de aspartame nos refrigerantes comuns, que fica entre 200 e 300 miligramas por dia, isso significa consumir entre nove e 14 latas desses refrigerantes. Você pode ver que é uma quantia bastante grande.

Como o impacto de longo alcance dos adoçantes artificiais não é conhecido, Branca aconselha as pessoas a limitarem o consumo de produtos adoçados.

“É particularmente importante para crianças pequenas que serão expostas cedo o suficiente a um ajuste de sabor e, basicamente, estarão no caminho certo para consumir continuamente produtos açucarados”.

Fontes[editar | editar código-fonte]
 
 

OMS: A ingestão ocasional de adoçante artificial apresenta baixo risco de câncer


@zipcms | Social Content


Publicado

em

por

Tags: